O que você procura no blog?

O melhor lugar para encontrar serviços e informações. Simples, eficiente e rápido.

populares Jornal, Manaus, Durango Duarte, Blog do Durango
16 de janeiro de 2017 às 08:00.

Não houve violência, diz comandante da operação que encurralou manifestantes

compartilhar

Na mesma edição, A Crítica reproduz, em outra reportagem, mais uma declaração do major Brandão: “não houve violência, o que a polícia procurou fazer foi manter a ordem“, afirmou o vitimizado comandante da operação, que segundo informações do jornal teria saído ferido do confronto com os manifestantes, tendo que se internar no Pronto Socorro Ana Rosa (A Crítica de 21 de setembro de 1983, p.02). Ao início desta reportagem, é informado que às 16h daquele dia seria realizada uma reunião na sede do Governo do Estado, convocada pelo governador em exercício Manoel Ribeiro (o governador Gilberto Mestrinho encontrava-se em Brasília, para participar de um evento no Congresso Nacional), com a presença do prefeito Amazonino Mendes, de dirigentes da EMTU e de líderes estudantis. Nesta reunião, diz a matéria, seria examinada “a impossibilidade de impedir uma margem mínima de lucro das empresas de ônibus, sob pena da cidade entrar em colapso de transportes“.

O noticiário de A Notícia, nesse dia, também se concentra no relato dos “tumultosprovocados pelos estudantes – quebra-quebra“, “lojas e ônibus apedrejados” e “pessoas feridas” foram os assuntos abordados. As matérias destacam a “ação firme” da polícia, e nenhum espaço é aberto à versão dos acontecimentos pela ótica dos líderes estudantis.

Embora as manchetes retratassem a “desordem” provocada supostamente pelos estudantes, as reportagens dos jornais acabaram por relatar situações em que a Polícia Militar agiu com violência extrema. Num dos momentos mais dramáticos da manifestação, o Pelotão de Choque da PM encurralou as pessoas que presenciavam o ato em frente à Catedral de Manaus. Na tentativa de fugir, o público tentou forçar as portas da igreja, que estavam fechadas. Sem rota de fuga, as pessoas foram espancadas. “Em meio a muitos gritos, tanto de manifestantes quanto de policiais, uma senhora não identificada e sangrando no rosto desceu as escadarias que levam à Eduardo Ribeiro, procurando ajuda dos vendedores ambulantes que trabalhavam na feira instalada ali” (A Crítica de 21 de setembro de 1983, p.02).

Os policiais perseguiram os manifestantes pelo Centro, passando pelo Porto de Manaus e pela sede do Banco do Brasil. Um grupo improvisou um ato em frente à Igreja Matriz. Mas, a reunião não durou mais do que cinco minutos, pois o Pelotão de Choque contornou a praça e subiu ao local pela Avenida Sete de Setembro, iniciando outra ofensiva violenta contra os manifestantes. Muitos deles também tentaram entrar na igreja, mas como as portas estavam trancadas, foram espancados pelos policiais.

Comentários