O que você procura no blog?

O melhor lugar para encontrar serviços e informações. Simples, eficiente e rápido.

populares Jornal, Manaus, Durango Duarte, Blog do Durango
29 de maio de 2017 às 09:40.

Percepções sobre a eleição suplementar de 2017 – Parte II

compartilhar

As eleições majoritárias para governador do Amazonas possuem diversas particularidades que devem, por obrigação, ser utilizadas para uma análise responsável.

Em 1982, Gilberto se elege como oposição ao grupo que comandava o Estado desde 1964. Elegeu Amazonino em 1986 contra Artur Neto, com a máquina administrativa nas mãos. Recebeu o governo de volta (1990) por meio do poder da caneta e devolveu novamente para Amazonino em 1994.

Com a instituição da reeleição no jogo eleitoral, Amazonino derrota Eduardo em 1998. Eduardo é eleito em 2002 por causa da fantástica estrutura que Amazonino DEU para ele.

E Eduardo se reelegeu, estando no poder em 2006.

Com a desincompatibilização de Braga para concorrer ao Senado em 2010, Omar assume o governo em abril daquele ano, e se reelege comandando a máquina. O mesmo ocorreu com José Melo, que, com a renúncia de Omar para disputar uma vaga de senador, assumiu o governo em abril de 2014. E concorreu à reeleição com o poder na mão, vencendo a disputa.

Ou seja, todas as eleições, desde 1986, são ganhas por quem tem o controle do governo estadual. Ser oposição é difícil. Por quê? Trago uma variável para a leitura de hoje: o peso que representa o interior no resultado final das eleições em votos.

É bem provável que nos votos válidos a capital fique, neste ano, com 60% ou 61%, e o interior, com 39% ou 40%.

Nem todas as cidades do interior possuem acesso integral à propaganda de televisão. E no caso das mídias sociais é pior ainda, graças ao péssimo serviço de Internet oferecido em nosso Estado. Com isso, os votos são controlados por prefeitos, ex-prefeitos e mais uma meia dúzia de alguns líderes locais.

O voto é de cabresto. O voto é comandado pelos cabos de barranco. Estamos ainda vivendo no século XIX ou XX.

Um exemplo interessante para explicar a questão da ponderação do efeito do eleitorado das 61 cidades interioranas é o seguinte: se Eduardo obtiver 25% em Manaus, isso representa 15% (25% x 60%) do total. E se atingir 35% no interior, equivale a 14% do total (35% x 40%). Eduardo ficaria com 29% ao final da eleição.

Amazonino, com 15% na capital, ficaria com 9% no total (15% x 60%), e, se obtivesse os mesmos 35% de Eduardo, sairia do interior com 14% e, ao final, 23%.

Marcelo Ramos, ganhando em Manaus com 30% (ficando à frente de Eduardo, Amazonino e todos os outros candidatos), somaria 18% (30% x 60%). E se conseguisse 10% no interior, ficaria com 4% (10% x 40%) que, somados aos 18%, daria 22%.

Quem iria para o segundo turno? Eduardo com 29% e Amazonino com 23%, devido aos votos do interior.

Agora se Marcelo saísse com 15% do interior (o que dá 6%), ele passaria no geral para 24%.  E ele iria disputar contra Eduardo. Mas isso é uma simulação onde qualquer alteração muda tudo.

E se Marcelo não tivesse os 30% da capital e ficasse com 25%? Isso daria, ao final, 21%, novamente abaixo dos dois outros prováveis concorrentes.

Estas variações devem ser aplicadas a qualquer candidatura.

Mas o que importa e que somente dois nomes devem ficar com 70%, no mínimo, dos votos do interior.

E quem correr por fora precisará ganhar muito bem na capital para disputar uma das duas vagas do segundo turno.

O interior que vive sem empregos, sem renda e nenhuma perspectiva de futuro decidirá o nome de quem comandará o Amazonas.

E este fará o que sempre fizeram com os nossos irmãos.

 

Leia também:

Comentários