24 de fevereiro de 2017 às 08:00.

Bossa Nova, um movimento da MPB

compartilhar

A Bossa Nova, singular movimento da Música Popular Brasileira – MPB, teve início, “oficialmente”, em agosto de 1958, quando chegou às lojas brasileiras do ramo, o disco de 78 rotações de número 14.360 do selo Odeon. Era o cantor João Gilberto a inovar com as músicas Chega de Saudade (Tom Jobim e Vinicius de Moraes) e Bim Bom, de sua própria autoria.

A novidade trazia elementos do samba sincopado, alguma influência do jazz americano e do impressionismo erudito de Debussy – compositor que com a sua obra-prima “Prélude à l’après-midi d’un Faune” revolucionou ao inventar um estilo de música inspirado na pintura impressionista, na poesia simbolista e na música asiática – e Maurice Ravel, que fazia uso dos mesmos efeitos musicais.

O movimento musical resultava da emergência urbana do país em plena fase desenvolvimentista do governo de Juscelino Kubitschek (1955-60), o “ presidente Bossa Nova”, cujo Plano de Metas de seu governo prometia o crescimento da nação de “50 anos em 5”. Aliado a isso havia um inconformismo latente com o estandardizado formato musical predominante dos “dós de peito” – aqueles cantados em plena voz, assim chamados para diferenciá-los do falsete. Nesse ambiente de inquietação e desagrado, surgiu uma corrente de músicos inovadores como os violonistas Luís Bonfá, Garoto, Valzinho e Laurindo de Almeida; também João Donato e, principalmente, o pianista e compositor Johnny Alf.

A voz de Elizeth Cardoso representava o padrão do “vozeirão” da Era do Rádio (1940/1950), que os jovens classe-média-zona-sul do Rio de Janeiro achavam cafona ou “démodé”. Assim, a batida de violão de João Gilberto era o grande “barato”. Quando, em 1959, ele regravou Chega de Saudade em seu primeiro LP, sua interpretação vocal ditou o que viria a ser o novo estilo, ou seja: a contenção e a economia de meios; nada de vidrados, prolongamentos vocais, nada de vozeirão.

O termo MPB – Música Popular Brasileira -, surge pela primeira vez na história da música brasileira em 1960, empregado por Ary Barroso na contracapa do disco ‘Bossa Nova’, de Carlos Lyra. Com o passar das décadas o termo aumentou sua abrangência de estilos, ampliando seu significado – exceção feita ao pop-rock – e hoje abarca praticamente qualquer tipo de música brasileira.

No mesmo instante em que esse movimento efervescia, contagiando brasileiros dos mais distantes rincões, “[…] Manaus era uma suntuosa ruína à margem do Brasil, o Teatro Amazonas era quase exclusivamente ocupado por valores locais, artistas da cidade letárgica na tentativa de despertar alguma emoção mais forte. Eram programas bastante românticos, com muita música do século XIX”.

Apesar desse cenário decadente, onde os jornais estampavam manchetes como: “Uma Manaus pobre e abandonada”, a cidade acompanhava tudo o que a década de 1960 sugeria ao país, especialmente sua marcante característica expressada pela diversidade de posições em todos os campos da atividade econômica, política e cultural: a contradição. Era como se o Brasil quisesse se abrir para o mundo e, ao mesmo tempo, voltar-se para dentro de si.

Comentários

error: Conteúdo de propriedade de Durango Duarte, protegido contra cópia.