4 de julho de 2022 às 09:48.

Como os líderes de hoje podem perceber as oportunidades de amanhã?

compartilhar

Como os líderes de hoje podem perceber as oportunidades de amanhã? Foi o que um artigo publicado na Ernst & Young (EY), de autoria do diretor John de Yonge, buscou responder. 

Sabemos que a pandemia mudou radicalmente o cenário dos negócios e hoje, mais do que nunca, é preciso ter atenção às oportunidades e mudanças pelo processo. Neste artigo, destaco alguns pilares apontados por Yonge, que podem orientar os líderes no processo de transformação.

Tendências e ritmo das mudanças

Com a pandemia a nível global, houve uma aceleração em tendências de longa data. Elas chegaram com força total. Por isso, exige-se um novo DNA empresarial para o sucesso nos negócios.

Os líderes não tiveram outra escolha que não fosse acelerar o ritmo das mudanças organizacionais. Muitos aproveitaram o momento para se tornarem não apenas líderes de mercado, mas também formadores de mercado, o que gerou um valor exponencial de longo prazo.

Lacunas para a transformação

Com a evolução no DNA das empresas, será exigido que os líderes adotem uma mentalidade de transformação contínua. Além disso, preencher as principais lacunas de capacidade e execução será de suma relevância.

No estudo CEO Imperative, da EY, em pesquisa com executivos-chefes das empresas Forbes Global 2000, notou-se que os líderes, embora pretendam transformar as organizações, enfrentam lacunas de capacidade e execução. 

Entre essas lacunas, podemos citar esforços incompletos na transformação digital, que não atendem às intenções de gerar valor a longo prazo, além de deficiências em dados. A confiança (ou a falta dela) nestes dados também pode ameaçar objetivos. 

Outra lacuna a ser destacada é o investimento na transformação, cultura e  estruturas organizacionais, que inibem e prejudicam a agilidade nos processos. Todas essas são as entrelinhas que os CEOs precisam lidar para enxergar as oportunidades do futuro e obter sucesso nas empresas.

Novos modelos e estruturas de talentos

A forma que o trabalho existe está mudando drasticamente e os CEOs e gerentes de recursos humanos precisarão atualizar as estratégias de talentos, para além de conquistar a lealdade e comprometimento dos colaboradores, também manter a agilidade, entrega e o empenho no processo de transformação.

Destaco também que a adoção e operacionalização de um ethos de transformação contínua depende de uma cultura de agilidade, inovação e diversidade. É importante se ter em mente que atrair talentos diversos, além de aprimorar e requalificar os já existentes, requer novas métricas e estruturas organizacionais. 

Na pesquisa do EY, três quartos (75%) dos CEOs afirmaram ver a empatia e as habilidades sociais se destacando como recursos-chave de gerenciamento nos próximos cinco anos. E 76% deles acreditam que é provável que novas métricas de desempenho e recompensas sejam necessárias para integração, promoção, planejamento de sucessão e liderança. Ainda 70% afirmam que equipes pequenas e autônomas que trabalham em uma estrutura de organização plana fornecerão os melhores resultados.

Impulsionadores de valor que devem ser adotados

Quem busca uma vantagem competitiva sustentável, segundo o autor, deve adotar três impulsionadores de valor interconectados: 

  1. Humanos no centro. Empresas que estão gerando valor exponencial sabem como colocar pessoas no centro das organizações, sejam clientes ou colaboradores. O que influencia em suas estratégias fundamentais. O modo como eles operam e executam reformulam seus negócios para o futuro. Trata-se de construir o negócio de forma centrada no cliente, enquanto se cria experiências mais envolventes para os colaboradores.
  1. Acelerar a tecnologia com responsabilidade. As empresas precisam abraçar a tecnologia para desenvolver seus processos, serviços e produtos novos, e implantá-la na velocidade exigida para entregar experiências a clientes e funcionários. É importante que se use a tecnologia como instrumento criativo, para se ganhar vantagem competitiva. A aceleração da tecnologia se tornou um dos motores mais significativos para a transformação. Além de alavancar as tecnologias, é preciso que elas acompanhem a constante evolução de todo o ecossistema (clientes-colaboradores-parceiros). No entanto, é preciso ter cuidado e consciência com as questões de segurança, ética e privacidade. 

Leia também: 3 Principais pilares da transformação digital

Como se adequar à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)

  1. Escala de inovação. As empresas precisam adquirir o hábito da inovação contínua. Os líderes devem iniciar uma abordagem de olhar para o futuro. É hora de se questionar se a empresa continuará sendo relevante daqui a 5, 10, 15 anos, e como é possível expandir a vantagem competitiva ao assumir riscos ousados. Assim, será possível explorar cenários futuros e adaptar potenciais na sua agenda de inovação e estratégia empresarial.

(Fonte: Ernst & Young-EY)

Gostou do tema? O assunto traz ótimos insights sobre como nós líderes e CEOs podemos enxergar as oportunidades do futuro. Agora é arregaçar as mangas e continuar colocando em prática! 

Comentários